Guia del Rei

Sinos que falam

São João del-Rei é a cidade onde dos sinos que falam. Aqui há a linguagem dos sinos, que se comunicam com a população da cidade. Conheça um pouco mais dessa linguagem.

Os sinos de São João del-Rei com seus toques e dobres têm mantido uma linguagem peculiar ainda conhecida de muitos são-joanense. Sabe-se, por exemplo, pelo repique, dobre ou toques onde será realizada a solenidade; se haverá procissão; hora da missa e quem será o celebrante e muitas outras informações.

Nos dobres fúnebres, fica-se sabendo se a pessoa era homem ou mulher e até mesmo o horário do funeral.

São normalmente tocados 3 a 4 vezes ao dia (12h, 15h, 18h e depois celebrações) nos períodos dos tríduos, novenas, procissões.

Aqui desde os tempos coloniais, nossos sinos se transformaram em verdadeiras “gazetas de bronze” e diariamente, noticiam os acontecimentos religiosos.

A LINGUAGEM DOS SINOS DE SÃO JOÃO DEL-REI – MODALIDADE DOS TOQUES
Entre as modalidades dos toques, destacam-se:

a) Dobre simples, quando o sino cai pelo lado em que está encostado o badalo, ocasionando uma só pancada em cada movimento.
b) Dobre duplo, quando o sino caindo pelo lado contrário ao que está encostado o badalo, provoca das pancadas em cada movimento.
c) Repiques, quando o movimento é feito somente pelo bater dos badalos, c/ o sino parado.

Com esta explicação, passemos aos registros dos toques:

1) AVISO DE MISSAS
A) ½ hora e 15 min., antes da hora marcada p/ a celebração é dado o sinal no sino pequeno, em pancadas seguidas.
No final de cada toque de entrada, as pancadas espaçadas indicam quem será o celebrante.
Ex.: 3 pancadas – o coadjutor.
4 pancadas – o vigário.
5 pancadas – o bispo.
7 pancadas – o arcebispo.
B) Se for missa festiva, repique depois da entrada e, no final, a indicação de quem vai celebrar. Se houver sermão em missa cantada, há dobre do sino grande.
C) Na hora da consagração, 1 pancada em cada sino.
D) Na hora da elevação, depois da consagração, repique ligeiro.
E) No final da missa, repique.
F) Havendo bênção do Santíssimo, em qualquer situação, haverá repiqe no meio do “tantum-ergo” e repique ligeiro e baixo durante a benção.
Em qualquer ato haverá o toque de “entrada” referido na letra “A” (18 ou mais pancadas).

2) NOVENAS E MÊS DE MAIO
Repique às 12:00, 15:00 e 18:00 horas. Terminado o ato, repique e depois o toque de “almas”, no sino grande (9 pancadas espaçadas).

Chamadas de irmãos:
A) Para enterros ou procissões: 18 pancadas ou mais, no sino grande.
B) Para eleição ou definitórios: 9 pancadas no sino grande, 1 hora, 30 minutos e 15 minutos, antes do horário estabelecido.

3) FESTA EM HOMENAGEM AOS SANTOS:
Na véspera de festa de um santo que vai ser homenageado, repique às 20:00 horas, no sino grande, c/ dobre na igreja onde vai ser realizada a festa.

4) FINADOS
A) Na véspera de “finados”, às 12:00 e 20:00 horas, dobre de defuntos (1 pancada em todos os sinos).
B) No dia de “finados”, dobre de duas pancadas na hora da celebração da Missa.
C) Ao meio dia, 15:00 e 18:00 horas, dobre em todos as igrejas.
D) Nas vésperas de aniversários dos mortos de cada ordem ou irmandade haverá dobre de defuntos (2 pancadas), às 20:00 horas.
E) Na hora da missa e do Liberta-me, dobre.

5) ENTERRO DE IRMÃOS
A) Homens – três dobres de 1 pancada.
B) Mulheres – dois dobres de 1 pancada.
C) Crianças – (menores de sete anos), repique festivo, na hora do enterro.
D) Se o homem foi mesário, dobre na hora em que se tornou conhecimento do falecimento e na hora do enterro (três dobres de duas pancadas).
E) Se a mulher foi mesária, idem, dois dobres de duas pancadas.
F) Se o irmão prestou grandes serviços à ordem ou irmandade, dobres de 1 em 1 hora, a critério da Mesa.
G) Falecimento do Papa, dobre de hora em hora, em todas as igrejas.
H) Idem do Bispo, dobres de 3 em 3 horas.
I) Idem do Vigário, dobres de 4 em 4 horas.
J) Idem de Padre, 5 dobres comuns.

Nota – Os dobres p/ Papa, Bispo e Vigário, são feitos em sentido contrário, isto é: começam pelo sino grande, prosseguindo pelo médio e terminando no pequeno.

6) AGONIA
No sino da ordem ou irmandade onde o moribundo é irmão, 9 pancadas no sino médio, bem espaçadas, de 15 em 15 minutos.

7) INCÊNDIO
Rebate – pancadas no sino grande, seguindo do médio, ligeiras c/ pequenos intervalos.

8) NATAL
Dia 24, às 22:00 horas, dobres. Às 23:00 e 23:30 horas, entrada. Finda a missa, repique.

9) PASSAGEM DO ANO
Havendo missa, obedece-se as mesmas disposições do dia de Natal.

10) QUARESMA
A) Na igreja, onde houver “via sacra”, dobre às 15:00 e 18:00 horas, 1 pancada no sino médio.
B) Durante a “via sacra”, 1 pancada no sino médio cada vez que mudar de estação.
C) Na décima estação, três dobres, indicando a morte de Cristo.

11) FESTA DE PASSOS
A) Na sexta-feira das Dores, às 15:15 horas, Matinas (9 pancadas nos sinos grandes dos Passos e do Carmo, seguidas de dobres); no meio dia, 15:00 e 18:00 horas e na hora da procissão, dobre; no momento em que a imagem sai da igreja, no sino dobra mais rapidamente.
B) No sábado de Passos repetem-se os dobres, porém, os sinos de São Francisco substituem os do Carmo que ficam em silêncio.
C) No domingo do “Encontro”, repete-se tudo nas três igrejas (Pilar, Carmo e São Francisco).
D) Ao meio dia, dobre nas três igrejas.
E) Às 16:30 horas toque de chamada de irmãos p/ a procissão das 17:00 horas.
F) Na saída da procissão, dobres nas igrejas do Carmo e São Francisco.
G) Quando a procissão de N. Sr. Dos Passos atinge o “passo” da R. da Prata, os dobres param. Terminados o Responsório e o Mateto, reiniciam os dobres até que o cortejo atinja a Ponte do Rosário, descaindo. Volta a dobrar, a passar pela igreja do Rosário até o “passo” daquela praça. Terminada a cerimônia, dobres até atingir a Catedral. Nesse ponto, entram os sinos dos Passos e Sacramento que tocam até a procissão passar ao lado da Catedral. Ao atingir a Pç. Barão de Itambé, entra o sino das Mercês que toca até a chegada ao “passo” daquela pç.. Terminado o “Encontro” (Sermão do Encontro), toca novamente até chegar ao Largo da Cruz, entrando em funcionamento o sino do Carmo, até que a procissão atinja o “passo” da Rua Direita. Terminado o ato ali, toca novamente até as proximidades do sobradão de Dona Amélia Ferreira, quando, descai pela entrada dos sinos dos Passos e Sacramento, até a entrada da procissão.

12) SEMANA SANTA
A) Na quinta-feira Santa., depois do Glória da Missa da Instituição da Eucaristia até o Glória da Ressurreição, nenhum sino toca, seja qual for o motivo.
B) Na Ressurreição tocam os sinos de todas as igrejas (toques festivos).

13) FESTA DA BOA MORTE
No final da última novena (13 de agosto), toque de matinas do Trânsito de N. Sra. (repique: Sra. É morta); esse repique é usado até no Glória de 15 de agosto, (ASSUNÇÃO DE N. SRA.) c/ repiques festivos em todos os sinos da Catedral.

14) TOQUE DE PARTO
9 pancadas, no sino médio da igreja das Mercês, de meia em meia hora até a “délivrance”.

15) ANGELS
9 pancadas no sino do SS. Sacramento, às 18:00 horas, diariamente.

16) ALMAS
4 pancadas no Sino das Almas, às 20:00 horas, diariamente.

17) AVE MARIA
9 pancadas no Sino das Almas, às 21:00 horas, espaçadamente.

Nota – da Ressurreição até Corpus Christi, os toques de Ângelus, Almas, Ave Maria serão dados pelos sinos do Sacramento (pequeno e grande.), simultaneamente, naqueles horários.

18) CHAMADO DE SINEIRO E SACRISTÃO
3 pancadas no sino pequeno, espaçadas, diversas vezes até ser atendido.

19) RELEMBRANDO A MORTE DO SENHOR
Um dos dobres que têm desafiado a ação do tempo, é o que nos faz lembra a morte do Senhor. Todas as sextas-feiras, às 3 horas da tarde, o sino dos Passos, com sua voz melodiosa, nos traz à lembrança a hora da morte de Jesus. Ao ouvir o dobre, os sanjoanenses se benziam e, antigamente raras eram as casas em que não se observaram o costume de queimar incenso.

Texto: Professor Aluízio José Viegas

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *